[Primeiras impressões] O garoto do cachecol vermelho






Oiiiiiiiiiiiiiii!!
Esse ano uma amiga muito querida, a Ana Beatriz Brandão, está lançando seu primeiro romance pela editora Verus: O garoto do cachecol vermelho. E, orgulhosa como estou, assim que ela abriu inscrição para leitura das primeiras páginas, eu corri para me inscrever, no entanto, não cheguei a tempo porque a procura foi grande. Mas, tananananana!!, consegui participar já que sou chorona, pedinte e blogueira parceira.
Fique super feliz de conhecer um pouco da trama do DaniDani (como as fãs e a própria autora se referem ao protagonista) antes da Bienal.

Melissa é uma protagonista diferente do que estamos acostumados. Diferente no sentido físico e comportamental. Ela é morena, quase negra, tem cabelos crespos longos, é esguia, dança balé, faz faculdade de dança, tem dezenove anos, é de uma família com muito dinheiro, órfã por parte de pai e uma mesquinha insuportável.




Logo nas primeiras páginas conseguimos compreender o temperamento dela: oscilante. No mesmo instante que ela acha lindo ver um grupo de pessoas comemorando o Ano Novo ao som de muito barulho feito com latas, dançando e pintando a rua, ela acha isso horrível, vandalismo e fica tão incomodada que não consegue apenas virar as costas e deixar pra lá. Ela precisa confrontá-los e dar uma de superior.


Daniel – que parece bondoso, divertido, de bem com a vida, sempre alto-astral e extremamente bem-humorado – é um estudante também. Mas, diferente da Melissa, preocupado com o outro, ama trabalhos sociais e picha a rua. Sim, ele picha. Ainda não soubemos o motivo porque recebemos apenas poucas páginas do livro, mas já deu pra perceber que ele tem prazer em pintar e faz desse momento uma festa com seus amigos.
Ele e Melissa são como óleo e água. É um chegar perto do outro e a textura os repele. Mas, ao que notei, Daniel tem um toque de sabão em sua personalidade, que talvez consiga dissolver um pouco do óleo em Melissa (por favor, por favorzinho, entendam a analogia! Haha).



Estou bem curiosa para conhecer mais desses dois. Até onde li a trama parece ser o esperado: Garota birrenta, rica e mimada x Garoto de “rua”, de bem com a vida, divertido e que vai fazer a mimada amadurecer.
Mas, como eu gosto de ressaltar, apesar de uma sinopse ou um início de livro parecer clichê, sou do tipo que lê antes de julgar, já que eu adoro pegar tramas clichês e surpreender meus leitores. Sei que a Ana não é diferente, então estou muito empolgada em saber como ela vai inovar. Se bem que já começou a inovar quando inseriu a ABRELA na trama, uma associação que existe de verdade e que precisa muito do nosso apoio, pois sobrevive apenas de doações.

Para quem não sabe, 20% dos direitos autorais das vendas dos livros da Ana, serão doados para a Abrela. Quer fazer mais por eles também?
Compre o livro. Não ficou satisfeito em dar 20% dos direitos da Ana para a Abrela, então faça como eu e contribua. Para saber como é possível contribuir, clique aqui.




Ana, amei o inicio do livro e já estou ansiosa pela Bienal para ter meu DaniDani em mãos e terminar de ler! Estou muito orgulhosa de você, da sua capacidade de ser gentil, pensar no próximo e ainda nos ensinar isso através de suas histórias. Espero que O Garoto Do Cachecol Vermelho seja um sucesso! (Ainda mais!).


Ficou interessado no livro? Clique aqui, já está em pré-venda!

Beijão,












Ganhadores: Primeiras Impressões de O Cobiçado



Oiiiiiiiiie!!

Você participou da promoção de Primeiras Impressões de O Cobiçado? Então, provavelmente, foi citado neste vídeo!

Obrigada pelo apoio pessoal!!


Citados no vídeo (mas assistam, por favor! Haha).

[Resenha] Garoto 21





GAROTO 21
MATHEW QUICK
Editora Intrinseca
Melhor preço: Buscapé
Sinopse:
Repetir um movimento várias e várias vezes ajuda a clarear a mente uma lição que Finley aprendeu muito cedo, nas quadras de basquete. Numa cidade comandada pela violência do tráfico e da máfia irlandesa, vestir a camisa 21 e dar o sangue em quadra é sua válvula de escape.
Vinte e um também é o número da camisa de Russ, um gênio do basquete. Ou pelo menos era. Recém-chegado à cidade de Bellmont depois de ter a vida virada de cabeça para baixo por uma tragédia, a última coisa que ele quer é pegar de novo numa bola.
Russ está confuso, parece negar o que lhe aconteceu e agora se autointitula um alienígena de passagem pela Terra. Finley recebe a missão de ajudá-lo a se recuperar e, para isso, precisará convencê-lo a voltar a jogar, mesmo sob o risco de perder seu lugar como estrela do time.
Contra todas as probabilidades, Russ e Finley se tornam amigos e, por mais estranho que pareça, a presença de Russ poderá transformar a vida de Finley completamente. Uma emocionante história sobre esperança, amizade e redenção, com a prosa sensível e inteligente de Matthew Quick.


=== Resenha ===

Reality Show: O Cobiçado





Oláaaa!!

Resolvi postar algumas informações sobre a história porque muitos não acompanham a página Mari Scotti diariamente. Mas, se quiserem mais detalhes, fiquem de olho lá <3.


Casa das Candidatas
(imagem retirada do Google)


O Cobiçado

Algumas candidatas




Primeiras Impressões: O Cobiçado






PRIMEIRAS IMPRESSÕES: O COBIÇADO


Oláaaaa!!

Há, no mínimo, dois anos, eu espero por esse momento! Estava louca para compartilhar com vocês a história do Rohan Sen, vocalista e guitarrista da Banda Four River. Espero que gostem dessa história tanto quanto eu amei escrevê-la!
Mas antes de liberar o livro na Amazon, decidi dar a chance para todos vocês ganharem a palheta autografada do rockstar mais cobiçado do mundo!

É importante ressaltar que, apesar de ter sido cadastrado na Amazon como série, cada livro será único, protagonizado por personagens diferentes, mas conhecidos entre si.


REGRAS:

- Residir em território nacional;
- Ler e deixar sua opinião sobre as primeiras páginas da obra, em modo público, em suas redes sociais ou blog, até a data de lançamento do livro na Amazon (a data de lançamento foi antecipada, é 15/08!), então vale até 14/08;